SGBeduca na minha casa

por Marcela Tainã em 03/Sep/2020
SGBeduca na minha casa

No dia 14 de julho de 2020, eu e a professora Andrea Sander discutimos a importância da Geociências e da Mineração com e para as gerações futuras. [Clique aqui para assistir a live]

Eu sou uma geóloga apaixonada e acho que facilmente passei essa paixão para as minhas filhas. Na minha casa tem lindas amostras por toda parte, sem contar os livros com imagens fantásticas de vulcões, por exemplo.

Mas não são todas as crianças que têm essa sorte de ser apresentada a esse mundo fascinante.

E para que todas as crianças possam ter acesso ao mundo fantástico das geociências existe o projeto SGB Educa da CPRM. Nas palavras da minha amiga Andrea Sander: “O projeto busca atender àquilo que a CPRM tem na sua missão: gerar e disseminar o conhecimento geocientífico com excelência, contribuindo para a qualidade de vida e desenvolvimento sustentável do Brasil”.

O SGB Educa nasceu da necessidade de melhorar a comunicação das geociências com a sociedade. “Percebemos ao longo do tempo que a geologia aparece sempre de maneira muito pesada na mídia, apenas quando se fala de cheias ou de acidentes. Nossa intenção foi esclarecer às pessoas do que se trata e como as geociências são onipresentes na nossa vida, já que todos os bens que usamos no cotidiano tem um pé na mineração. A luz, por exemplo, só chega às residências das pessoas por meio da fiação”, explicou. “Então olhar a mineração e as geociências como malefícios para a sociedade é um mal entendido que precisamos resolver. Desastres não são problemas geológicos ou da mineração, mas sim de gestão e de responsabilidade”.

Mas o motivo dessa matéria é compartilhar a experiência que foi aqui em casa (as minhas filhas estão tendo aula on-line) as brincadeiras com os materiais disponibilizados pelo Projeto SGB Educa.

Um dos “brinquedos” foram as réplicas de fósseis de dinossauros. “Eles permeiam o imaginário infantil e são excelente entrada não só para as geociências, mas para as ciências de forma geral. Não tem criança que não se interesse por dinossauros!”, já havia me dito minha amiga. A coleção de réplicas é acompanhada de quiz sobre os fósseis e guia de dinossauros do Brasil. Desnecessário dizer que foi um sucesso aqui em casa, minhas meninas pintaram e depois ficaram horas pesquisando sobre os fósseis.

O outro “brinquedo” foi uma coleção de minerais e rochas. Ficamos sentadas discutindo quais eram mais bonitas e para minha surpresa minha filha de 5 anos pegou a amostra de quartzo e carvão e disse: “se misturar os dois vamos ter vidro”. De onde ele tirou essa ideia? De um jogo chamado MineCraft que foi objeto de outra matéria no blog.

Está se perguntando sobre a razão dessa matéria? Eu te conto, está comprovado que mineração é fundamental, está mais que óbvio que precisamos construir um setor sustentável, geociências são encantadoras e as crianças têm o direito e nós temos a obrigação de promover esse acesso. Meus parabéns a professora Andrea Sander e a todos os envolvidos no projeto. E a você, meu leitor, eu termino dizendo que é possível fazer sua parte.

Marcela Tainã

Membro do Australian Institute of Geoscientists AIG. Bacharel em Geologia (USP), é especialista em Amostragem, QA/QC e Avaliação de Recursos. Participou como CP/ QP e implementação de programas de QA/QC (Quality Assurance and Quality Control) em projetos de grandes players nacionais. Vasta experiência também em modelamento geológico e Geometalurgia.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

© Instituto Minere

by nerit