QAQC de ensaios de densidade e umidade para estimativa de Recursos e Reservas

por Marcela Tainã em 15/Jul/2020
QAQC de ensaios de densidade e umidade para estimativa de Recursos e Reservas

Marcela Taina e Walter Riehl 

Diversos são os controles sobre as variáveis químicas. Existem ferramentas de controle de qualidade já consagradas no mercado. Hoje em dia, quase não há mais dúvidas quanto à necessidade de se ter um programa de QAQC robusto para os controles de amostragem e analíticos. Porém para as estimativas de Recursos e Reservas existem três inputs fundamentais: Teor, Volume e Densidade.

As tabelas contendo as estimativas de recursos e reservas são apresentadas contendo as qualidades dos litotipos minérios e suas massas (tonelagem).

A qualidade é oriunda principalmente dos resultados das análises químicas e por vezes físico-químicas. A tonelagem por sua vez é oriunda do volume modelado multiplicado pela densidade dos materiais em questão. Assim, densidade é fator multiplicador de recursos e reservas.
A importância da variável densidade é normalmente subestimada. Os impactos da baixa confiabilidade nos valores de densidade na Classificação e nos valores reportados de Recursos e Reservas são devastadores.

Alguns erros são normalmente cometidos nos projetos, sendo os principais:

• Utilização de dados históricos;
• Utilização de densidades minerais para aproximação de densidades in situ;
• Falta de conhecimento do parâmetro a ser medido;
• Falta de conhecimentos de petrofísica para avaliar o impacto da porosidade, saturação, compactação...;
• Falta de ensaios de umidade;
• Falta de conhecimento dos métodos de determinação de densidade e umidade;
• Ausência de programa de QAQC específico;
• Ausência de ensaios distribuídos levando em consideração a variável “tempo”;
• Ausência de campanhas específicas para determinação da densidade de estéril.

Os métodos mais conhecidos para determinação de densidade são:
• Gabarito
• Frasco de Areia
• Cilindro de Cravação
• “Caliper”
• Balança Hidrostática

Todos podem apresentar viés, problemas de precisão e limitações que devem ser levadas em conta na avaliação de risco do projeto. Da mesma forma que para os outros parâmetros da estimativa é possível determinar a precisão e exatidão dos dados de densidade. É possível durante a definição do QA definir quais ferramentas de controle serão utilizadas no QC.


É importante lembrar que diferentemente do que densidade é uma variável de grande impacto no estéril também que REM (relação estéril minério) pode ser um fator muito impactante no custo do projeto.

Marcela Tainã

Membro do Australian Institute of Geoscientists AIG. Bacharel em Geologia (USP), é especialista em Amostragem, QA/QC e Avaliação de Recursos. Participou como CP/ QP e implementação de programas de QA/QC (Quality Assurance and Quality Control) em projetos de grandes players nacionais. Vasta experiência também em modelamento geológico e Geometalurgia.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

© Instituto Minere

by nerit