Caso BRE-X: A fraude que mudou os rumos da mineração

por Marcela Tainã em 01/Nov/2017
Caso BRE-X: A fraude que mudou os rumos da mineração

Este é um case que podemos dizer didático tratando-se de avaliação e negociação de recursos minerais. Sempre é lembrado em palestras e cursos de geologia pelo mundo afora essa que se tornou uma das maiores fraudes do setor mineral, um golpe para supervalorizar as ações da Bre-X Minerals Ltd na Bolsa de Valores de Toronto, no Canadá. A farsa foi descoberta por uma companhia de auditoria independente.

Em outubro de 1995, a pequena mineradora canadense anuncia que as prospecções iniciais em Busang (sudeste da Indonésia) revelaram a maior mina de ouro do mundo. Ela conteria cerca de 850 toneladas do metal. A empresa canadense se associa a uma parceira norte-americana, a Freeport MacMoRan Cooper & Gold Inc.

Para fazer a certificação do depósito, foi contratado o geólogo holandês Michael De Guzman, que divulgou publicamente a informação de que a jazida possuía 6.500 toneladas de ouro – quase 8% dos recursos mundiais da commodity.

Em maio de1996 o preço das ações da Bre-X superou US$ 200 e a empresa atingiu valor de mercado líquido de mais de US $ 6 bilhões.

Em junho de 1996 a Bre-X divulgou que o depósito de Busang possuia recursos de 39 milhões de onças de Au. Um mês depois a estimativa chega a 47 milhões de onças de Au.

Em fevereiro de 1997, após disputa de 10 meses com o governo indonésio, Bre-X e Freeport McMoRan chegaram a um acordo para o desenvolvimento do Projeto Busang. Bre-X fica com 45%; Freeport com 15%, o governo indonésio e grupos privados ligados ao governo ficam com 40%.

No mesmo mês a Bre-X divulga nova estimativa, aumentado os recursos de Busang para 71 milhões onças de Au. Relatos de John Felderhof, Vice-Presidente do BRE-X em entrevista a Fortune Magazine, de que o Deposito Busang teria até 200 milhões de onças troy (6.900 toneladas curtas; 6.200 t).

Em março de 1997, a história da Bre-X começou a ruir quando a Freeport MacMoRan (uma das maiores mineradoras de ouro do mundo), que já possuía 15% do presumido depósito, enviou uma equipe de técnicos para investigá-lo. A Freeport realiza Due Dilligence e conduz teste em testemunhos e recupera pequenas quantidades de Au. Isso levou os técnicos a conconluirem que a jazida de Busang possuia quantidades insigunifantes de ouro. Freeport exigiu uma reunião com o geólogo chefe do projeto Michael De Guzman para discutir os resultados do teste em amostra de testemunho.

No dia 19 de março de 1997, segundo a lenda, Michael De Guzman cai de um helicóptero sobre a selva da indonésia. Há relatos de que foi encontrado uma carta de suicídio, mas houve rumores de que Michael De Guzman foi assassinado, ou ainda, pode até mesmo ter forjado a sua própria morte.

Um dia após a essa notícia, as ações da Bre-X despencaram a 82%, levando a “bancarrota” milhares de investidores.

A Strathcona divulgou seu relatório. Segundo a auditoria, a descoberta do século foi uma farsa 'sem precedentes na história'. As conclusões iniciais foram baseadas em 'dados adulterados'.

Como resultado:

• Queda das bolsas mundiais nas quais se negociavam as ações de companhias mineiras e de exploração (principalmente Junior Companies);

• Redução drástica da exploração mineral no mundo devido a grande desconfiança;

• Revisão e adequação dos Códigos de Mineração no mundo todo;

• Preparação de novos regulamentos e recomendações de boas práticas mais rigorosas;

Esta fraude foi a responsável pela consolidação das condutas internacionais para a declaração de recursos e reservas minerais em transação nas bolsas de valores.

Os códigos JORC, NI 43-101, SAMREC, CRIRSCO, e o novo Guia da CBRR no Brasil, foram a evolução das boas práticas em consonância com as regras governamentais de cada país e seus mercados financeiros, e estabeleceram instrumentos normativos para a apresentação dos resultados de pesquisa mineral, executados por profissionais competentes, qualificados e certificados em comunidades geocientíficas internacionais reconhecidas.

Marcela Tainã

Membro do Australian Institute of Geoscientists AIG. Bacharel em Geologia (USP), é especialista em Amostragem, QA/QC e Avaliação de Recursos. Participou como CP/ QP e implementação de programas de QA/QC (Quality Assurance and Quality Control) em projetos de grandes players nacionais. Vasta experiência também em modelamento geológico e Geometalurgia.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

© Instituto Minere

by nerit