A CPRM e a importância do conhecimento geológico

por Alexandre Vidigal em 16/Oct/2020
A CPRM e a importância do conhecimento geológico

Por Alexandre Vidigal

 

O desafio do SGB para o futuro será atrelar a geologia básica expressa em mapas de várias escalas com a ciência, tecnologia e inovação. Essa é a razão da prioridade dada nos últimos três anos para a reestruturação deste setor no SGB. A parceria em desenvolvimento entre a Petrobras, a ANP e a CPRM é absolutamente fundamental para prover o SGB de uma infraestrutura laboratorial adequada para o desenvolvimento de pesquisas tanto no setor de óleo e gás como metais. Com estes laboratórios conseguiremos dar o salto exigido pelo setor produtivo e a sociedade. O SGB deve assumir o protagonismo das geociências do País, participando ativamente do setor produtivo.  

No plano social a importância do conhecimento geológico se manifesta ainda mais evidente. Questões como recursos hídricos, áreas sensíveis a desastres naturais, erosão costeira, paleoclima, aquecimento global, energia limpa minerais estratégicos para um mundo tecnológico e uma indústria em total transformação, são tratadas invariavelmente no contexto do conhecimento geológico básico. Nas próximas décadas teremos que apresentar soluções para mantermos a fertilidade dos solos, o provimento de água potável, novos minerais para viabilizar carros elétricos, energia solar, eólica e principalmente baterias para uma infinidade de equipamentos. É a geologia básica que indica onde podemos encontrar os elementos e minerais capazes de viabilizar a nossa vida neste planeta em constante transformação, quase sempre hostil a nossa maneira de viver. Precisaremos cada vez mais de mapas confiáveis de estudo integrados de geologia e biologia viabilizando a exploração dos oceanos, fronteira inevitável para a sociedade futura. Não adianta imaginarmos que poderemos recorrer aos outros planetas antes de viabilizarmos de forma sustentável os recursos minerais e biológicos presentes nos oceanos. Para achá-los precisamos da geologia. 

Mineração é uma atividade econômica peculiar, pois o ativo precisa ser descoberto. Para isso, são necessários anos de exploração, pesquisa e nem sempre o capital investido traz retorno para o investidor. Ao contrário do que ideário popular imagina essa atividade econômica possui baixa atratividade sendo marcada pelo altíssimo risco e longos prazos para maturação. A única maneira de acelerar o fluxo de descoberta é através do conhecimento geológico, da disponibilização de levantamentos prospectivos, novas tecnologias e principalmente de mapas geológicos factuais em escalas adequadas. Tais atividades são desenvolvidas invariavelmente pelos serviços geológicos nacionais. Assim, o futuro da mineração brasileira dependerá da descoberta em novas áreas, assim como das descobertas próxima das minas já existentes, visando a recuperação das reservas diminuídas dia a dia com a produção. Se não houver novas descobertas, o que acontecerá com as empresas Vale e Petrobras com a exaustão do minério de ferro de Carajás e do petróleo do Pré-sal?

O Brasil precisa melhorar seu conhecimento geológico visando manter a mineração como um importante segmento da sua economia como é hoje. E a geração desse conhecimento geológico básico terá que ocorrer tanto em áreas de baixa atividade exploratória (novas fronteiras), atraindo novos investidores, assim como em áreas de alta produção mineral (distritos mineiros). O objetivo é único, o SGB terá que produzir mapas geológicos, fazer levantamentos geofísicos e geoquímicos em diferentes escalas com diferentes métodos. A necessidade de se conhecer cada vez em profundidade é ilustrada por uma observação factual e preocupante - os depósitos minerais estão cada vez mais difíceis de serem achados, mais caros e mais profundos. O nível de conhecimento geológico básico torna-se um diferencial na hora do investidor escolher o país onde aplicará seus recursos na procura de novos depósitos minerais. É com isso em mente que devemos pensar na importância das atividades futuras do SGB que inapelavelmente terá que focar na produção de mapas geológicos confiáveis.

 

  

Alexandre Vidigal

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

© Instituto Minere

by nerit